Procurar no Bloguefólio:


Widget UsuárioCompulsivo

terça-feira, 6 de junho de 2017

E o Mar veio à Sala Fixe ;-)

O dia iniciou-se com coisas que temos sempre para partilhar com os amigos (objetos ou conversas) e hoje o R. trouxe este desenho:
- É abstrato...  porque  nele podemos ver coisas diferentes. Foi o meu irmão que desenhou e eu pintei!
- Parecem ovos! - disse a M.
- Eu acho que são bolas... - disse o A.
- A mim parecem-me montanhas... - disse a professora.
- E a mim as ondas do mar - disse a MJ.
- Se o mar fosse das cores do arco-íris, até devia ser assim parecido! - concluiu o V.
Então conversamos mais sobre o mar... sobre o que devemos e não devemos fazer para o preservar limpo e saudável. Depois trouxemos um bocadinho de mar para a sala, primeiro apenas o sal... através de uma técnica de pintura com sal:
Depois de pintadas as ondas do mar com vários tons de azul... e perguntam vocês: 
- Mas azul porquê? a água não tem cor...
Boa pergunta, mas nós já sabemos responder:
- O mar não tem cor, mas na praia parece azul, porque funciona como um espelho e reflete a cor do céu!
Por isso escolhemos fazer o nosso mar com 4 tons diferentes de tinta azul. Sobre ela colocamos sal e depois aguardamos para ver o que acontece... amanhã mostramos!

Com o sal realizamos também, a propósito das conversas que entretanto surgiram, uma experiência de dissolução: deitamos sal num copinho com água e ficaram umas pedrinhas brancas no fundo. Depois mexemos com uma colher e elas desapareceram!
- Derreteu!
A professora explicou e nós percebemos então que o que derrete passa de sólido a líquido como ,por exemplo, o chocolate se for ao lume. Aqui não aconteceu isso, por isso não derreteu: dissolveu-se. O sal dissolveu-se na água, mas deixou lá alguma coisa...
- O sabor! A água ficou salgada.
Quando enchemos um copo com água (simples) e colocamos ao lado da água salgada, os nossos olhos (visão) não conseguiram distinguir uma da outra... os ouvidos (audição) também não, nem o nariz (olfato). 
Então que sentido, dos nossos 5, podemos utilizar para descobrir qual é o copo com sal?
- O paladar, porque a língua consegue distinguir os sabores!
- E o tato também pode ajudar, pois metemos o dedo na água para provar e sentimos o molhado.
Verificamos ainda que esta experiência também pode ser feita com outra substância, que não o sal... o açúcar, pois também ele se dissolve na água!

No tempo de atividades e projetos livres apareceu por cá um Gato das Botas... mas com sapatos calçados!
No intervalo de almoço voltamos a brincar bastante, desta vez com os nossos veículos...
No regresso à sala já tinha chegado a nossa visita: a professora Carminho, do JI de Mazarefes, veio à nossa sala, tal como prometido!
Ao redor da mesa grande apresentamo-nos e, todos juntos, vimos o Mar a vir à nossa sala de novo, desta vez através da caixinha das surpresas! Lá dentro tinha água, óleo e corante azul, que serviu para colocarmos o mar dentro de uma garrafa :-)
Observamos que o óleo não se misturou na água, nem se dissolveu como aconteceu com o sal. Mais tarde iremos tentar perceber porquê...
Depois de colocar na garrafa com água o corante azul, a água tornou-se azul (o corante diluiu-se na água) e então acrescentamos o óleo. Ficou um bonito mar, cheio de bolhinhas a imitar a espuma, a que quisemos acrescentar alguns animais marinhos...
A sugestão era usar espuma eva para os fazer e usamos algo parecido, que reaproveitamos.
O mar inspirou ainda alguns artistas fixes, que realizaram produções em desenho:
Gostamos muito desta tarde e da visita da professora Carminho, que também nos disse que gostou de estar na nossa sala e de nos conhecer.
Despedimo-nos com a promessa de nos voltarmos a encontrar na praia, na altura da Colónia Balnear... e então sim, seremos nós a ir ao Mar!

1 comentário:

Rosa Alves disse...

Gostei muito da vossa experiência, sobre o mar. Como estamos com um projeto sobre a "Menina do Mar", vou levar a vossa experiência. Ok?
Beijinhos Triquiteiros.

Diário Bloguefólio

Porquê e para quê um Blogue-Portefólio?

Uploaded on authorSTREAM by jusousa | 

De onde nos chegam amigos