Procurar no Bloguefólio:


Widget UsuárioCompulsivo

sexta-feira, 31 de janeiro de 2014

Para pais, educadores e professores

"Uma prática pedagógica com crianças do jardim de infância (ou de qualquer outro nível), baseada apenas ou essencialmente, na comemoração de “dias” ou efemérides é, manifestamente, pobre e uma prática pouco adequada. É tornar a educação uma sucessão de acasos, de situações desgarradas, avulsas e fortuitas. É revelador de uma prática inconsistente e ao “sabor dos ventos” (sendo, até, na maior parte das vezes, ao sabor de interesses comerciais, ou de qualquer outra índole, que nada têm de educativos)." (Manuel Rangel) 

Um artigo pertinente, publicado a propósito do S. Valentim que se aproxima e com o qual a nossa professora concorda em absoluto. Podem lê-lo na íntegra aqui:  Porto Editora - Espaço professor


quarta-feira, 29 de janeiro de 2014

Ainda, a água, porque é muito importante!

Logo pela manhã o Rui, que esteve doente, regressou ao jardim e trouxe consigo um livro muito engraçado, de que lemos a história. É da autoria de Luísa Ducla Soares e chama-se "O soldado João"... (não foi esta a versão, mas podem espreitar a história aqui). Chegamos à conclusão que:
- Era um soldado tão simpático, tão simpático, que até conseguiu acabar com a guerra!

Hoje também esclarecemos uma dúvida sobre a mudança do estado físico da água, de gasoso para líquido.
Para percebermos melhor, experimentando e vendo com os nossos olhos, usamos a nova panela (- tão gira!) que veio na caixinha das surpresas (- junto com uma frigideira para fazermos ovos estrelados...) para brincarmos ao faz-de-conta na casinha das bonecas!

A foto não permite ver bem o que aconteceu, mas foi assim:
- As gotinhas de água que evaporaram com o calor do fogão, ficaram coladas à tampa de vidro... e depois choveram! 
Eis a explicação para esta experiência de condensação:
A tampa funcionou como o ar frio e as gotinhas todas juntas eram a nuvem. 
Depois caiu a chuva, porque a água passou do estado gasoso para o estado líquido outra vez.
É uma brincalhona a água, sempre a mudar de estado!
E serve para muuuitas coisas, querem ver quantos usos conseguimos descobrir-lhe depois de pensarmos bem e de trabalharmos em grupo assim...?

Todos estes! A água é mesmo muito importante!

Alguns meninos que faltaram ontem tiveram hoje oportunidade de experimentarem a neve artificial que deixamos para eles... construindo também os seus bonecos.

E por falar em bonecos, outros estiveram a decorar os seus, feitos de espuma e cola, que entretanto secaram...

Foi assim o nosso dia!

terça-feira, 28 de janeiro de 2014

Brincar com neve

Hoje foi o dia em que preparamos sozinhos neve artificial...
Artificial já sabemos que significa que não é natural, porque somos nós que a preparamos através de uma experiência e fizemo-la praticamente sozinhos!

Fazer neve artificial on PhotoPeach 

Assim brincamos com neve... com as vantagens de não ser fria e de não derreter!
Eis algumas da nossas (orgulhosas) produções:

De tarde realizamos a III Assembleia de Escola deste ano letivo:
Depois de aprovada a ata da reunião anterior, partilhamos as últimas notícias de cada sala, bem como alguns problemas e como resolvê-los.

Terminamos com a gravação do nosso Hino da Fruta, feito de forma colaborativa: escolhemos a base musical por maioria de votos e depois elaboramos uma letra adequada. 
videoclip encontra-se em preparação, para assim validarmos a participação da nossa escola no Projeto Nacional Heróis da Fruta - Lanche Escolar Saudável, promovido pela APCOI.

segunda-feira, 27 de janeiro de 2014

Uma experiência e um aniversário...

De tarde ainda realizamos uma Experiência de Flutuação, completamente sozinhos :D

O material estava em cima da mesa e coube-nos descobrir para o que serviria e, depois, realizar toda a experiência.
O André M. foi o primeiro a dizer que íamos experimentar o que flutua e o que afunda e tinha toda a razão! 
Depois, cada um foi escolhendo um dos materiais disponíveis e estimando o que iria acontecer (vai afundar? vai flutuar?) depois colocava o material na tina e observávamos o resultado.
Como os materiais não chegaram para todos fazerem, os mais crescidos escolheram outros para experimentar e depois passamos ao registo, mas ainda não terminamos.

Experiências de flutuação on PhotoPeach 

Terminada a experiência o Miguel P. chegou a uma conclusão que comunicou ao grupo: 
- Os que são pesados afundam e os leves flutuam.
Será mesmo? Amanhã falaremos mais sobre o assunto!

Mas o dia não acabou sem festa... comemoramos o quarto aniversário do Miguel B, que se realizou ontem, cantando-lhe os parabéns ao redor de um bolo do Homem-aranha:
E ainda teve direito a 4 grandes foguetes!

Frio e chuva...mas nada de neve :-(

Pois é, quando os dois se juntam normalmente cai neve, mas isso não aconteceu lá fora, só dentro da Sala Fixe  é que houve um nevão! ;-)

Às voltas com os bonecos de neve que ficaram programados no diário por alturas de dezembro, achamos que, finalmente, iríamos colocar agora em prática essa ideia.
E começamos, como sempre à segunda-feira, com a hora da história, mais uma que a nossa professora preparou para nós, desta vez sobre bonecos de neve!
Quanto à proposta que surge no final, a resposta foi mais complicada... 
Para além de contar as bolas dos bonecos e fazer a sequência crescente e decrescente, ninguém deu mais ideias de brincadeiras matemáticas ao boneco de neve grandalhão... (é que os nossos cérebros ainda estavam um bocadinho a dormir!)

Mas ideias para fazer bonecos de neve na sala, isso houve bastantes! 
E algumas já colocamos em prática...
- Com meias brancas (velhas) e areia, como a Lídia propôs fazermos no Prolongamento, mas essa não valeu, era repetida!
- Com colagem de discos de algodão... 
- Com rolos de papel higiénico pintados de branco, ou com carimbagem dos seus círculos...
- Com carimbagem de rolhas de cortiça
- Com garrafas de iogurte, ou tampas de plástico...
- Com cartolinas
- Com espuma da barba

Foi só passar à ação!
Misturar partes iguais de espuma da barba e cola branca e começar a "pintar" ou então colar e decorar os bonecos feitos de discos de algodão, foi a estes dois tipos de bonecos que nos dedicamos hoje:

Bonecos de neve on PhotoPeach 

Depois mostramos o resultado, pois temos que deixar secar bem esta "neve" para depois decorarmos os bonecos. Só esta produção ficou pronta, com discos:
(- o pequenino está triste porque está a derreter!)

sexta-feira, 24 de janeiro de 2014

Um balanço positivo... ;-)

Como todas as sextas-feiras, ao chegar ao final da semana é tempo de fazer balanço:
Começamos logo pela manhã, arrumando as produções livres que não vão para os portefólios dentro das capas de trabalhos. Mas não sem antes as partilharmos em grande grupo, para identificarmos a quem pertencem e depois fazermos a respetiva contagem, que registamos:
- Quantos desenhos/colagens/pinturas/outras produções tenho?

Está combinado que, em cada semana, cada um de nós deve passar por todas as áreas de expressão, apresentando um desenho, uma colagem e uma pintura, pelo menos... mas nem sempre somos (todos) suficientemente responsáveis para nos recordarmos disso (embora surjam sempre lembretes ao longo dos dias que passam...)

Os mais crescidos, por vezes, esforçam-se por fazer tudo logo na segunda-feira e depois dizem, muito satisfeitos: - Já tenho tudo em ordem!
Os mais pequenitos vão sendo ajudados a recordar-se do que ainda não fizeram e, desta forma, tem corrido tudo muito bem. 
Claro que, de vez em quando, como é natural, lá aparece uma bolinha (em vez de um algarismo) no registo, o que é mau sinal... há que pôr aquela produção em dia!
Assim crescemos em responsabilidade e aprendemos a gerir o nosso tempo no dia a dia, de uma forma quase totalmente autónoma, planeando aquilo que queremos e devemos fazer.

Mas hoje o dia foi um bocadinho diferente. 
Por ausência da professora deles, recebemos na nossa sala alguns meninos da Sala dos Amigos e foi um entusiasmo! 
Gostamos muito de receber visitas, sejam elas crianças ou adultos. São sempre momentos ricos de experiências e aprendizagens e é na partilha que todos crescemos!
Explicamos-lhes um bocadinho da dinâmica da nossa sala, para que se pudessem movimentar à vontade, escolhendo o que quisessem fazer. 
Entusiasmaram-se muito com a areia cinética, com a caneta TING e os jogos do tablet da nossa professora, mas também com a casinha das bonecas e outros jogos diferentes dos deles... 

Até experimentamos pintar com rolhas de cortiça ;-) fazendo carimbagens redondinhas e coloridas
Foi muito bonito ver todos a interagirem com harmonia!

Recordamos a semana e todas as experiências e aprendizagens sobre a água que fomos fazendo e quisemos colocar esse assunto na ordem de trabalhos da próxima Assembleia de Escola, planeada para a próxima terça-feira. 

Revimos o que nos falta fazer e verificamos que não conseguimos ainda fazer todas as experiências com água que queríamos e que também ainda faltam os tais "bonecos de neve" que estão escritos no Diário de Sala, na parte "O que queremos fazer" desde dezembro - bonecos de neve!

O jogo do copo também fez sucesso... temos por cá verdadeiros campeões!

quinta-feira, 23 de janeiro de 2014

A água na Arte...ou a Arte com água!

... como não podia deixar de ser!
Será que algum artista se dedicou a representar a água na Pintura? Ou na Música? 
Pois parece que sim!
Hoje conhecemos Monet e Händel, dois artistas, um pintor e um músico que colocaram a água no centro das suas obras de arte!
O primeiro gostava muito de representar paisagens com água e o segundo criou a  "Música da Água". Podemos conhecer mais sobre ambos aqui:
Observamos e comentamos os quadros realistas e também os abstratos (- aqueles que temos de pensar bem para ver o que está lá...
Descobrimos os pontos comuns: em Monet as pontes, a água e os nenúfares e na pintura abstrata as cores, os diversos tons de azul.
Escutamos a "música da água" sentindo-a com os olhos fechados. O que sentimos ouvindo?
- Parece que sentimos a água dentro de nós!

Depois passamos à ação, criando com cubos de gelo coloridos, que foram o resultado da experiência de ontem... a água colorida transformou-se em gelo colorido e os pauzinhos que tinha dentro transformaram-no em pincéis para pintarmos com água

E foi assim, em pequenos grupos, ao som de Händel...

Observamos como o gelo se derretia com o passar do tempo, como largava a cor, como a cor se misturava com as outras, como a folha se rasgava se ficasse muito molhada...

Assim criamos obras de arte com água, ampliando a nossa experiência artística
e, em simultâneo, revisitando os conhecimentos sobre a água que fomos construindo esta semana: a água molha, a água molha a folha de papel e o papel rasga quando se molha...

De tal forma que, nas atividades de expressão livre, já se nota a aplicação desses saberes:
- A água vem das nuvens e quando as gotinhas encontram o sol forma-se um arco-íris!

Pois é isso mesmo e dizemo-lo a desenhar e também a cantar:

A água vem das nuvens, é de lá que água vem
A água vem das nuvens, já todos sabemos bem!
As gotinhas d'água são muito engraçadas
Caem das nuvens e deixam a terra e as flores molhadas!

Estamos a aprender esta a canção com este livro + CD, que conta a história do ciclo da água:
E as descobertas não terminaram aqui...

quarta-feira, 22 de janeiro de 2014

Mais água... em vapor e com cor!

Relativamente ao projeto que temos vindo a desenvolver sobre a água, hoje houve mais novidades e experiências!
Tínhamos planeado ontem fazer hoje a experiência da evaporação e assim fizemos: colocamos um copo de alumínio com água em cima da placa elétrica a aquecer, tendo marcado com caneta de acetato o nível até onde a água ia. Dali a algum tempo começou a acontecer isto:
O vapor de água começou a sair do copo e deu lugar a algumas observações pertinentes:
- Olha o vapor, as gotinhas já estão a subir!
- A água está a evaporar...
- Está a passar do estado...
- Líquido!
- Para o estado?
- (alguma hesitação) ... gasoso...
- Pois, é como o ar, não se vê.
No final reparamos que o nível de água desceu...
- Pois, ela foi-se embora para o céu! (ou seja, traduzindo a linguagem fixe, evaporou-se! ;-) 

Recordamos ainda as experiências de dissolução realizadas ontem, porque alguns meninos não estavam presentes na altura e assim puderam observar e registar os resultados.
E como sobrou pó de sumo, a Sofia e a Anita, que foram as primeiras a terminar a frutinha do lanche, deram uma mãozinha a prepará-lo (para não se estragar!) praticando a dissolução mais uma vez:
- É fácil, é só deitar o pó na água e mexer com a colher para ele dissolver!

É isso mesmo... e assim fizemos sumo de manga e de morango, que bebemos muito consolados ao regressar do recreio.

Mas ainda houve tempo para mais uma experiência (ninguém se cansa de as fazer!)
- Vamos colorir a água? Como podemos fazê-lo?
- Com corantes! (Pois, já são nossos velhos aliados de experiências!)

Usamos uma cuvete de gelo, deitamos água nos retângulos grandes e depois adicionamos cor, mas só havia 3 corantes, as cores primárias: colocamos um de cada e o Mateus sugeriu que as misturássemos.
- Se pusermos amarelo com azul vai aparecer?... Verde!
- E se for vermelho com amarelo? ... Laranja!
- Misturar vermelho com azul dá... Roxo!
- E se pusermos todas ao mesmo tempo?... dá preto!
No espaço que sobrou ainda usamos um pouquinho de pó de sumo de manga... e colocamos palitos para levar ao congelador. 
O que vamos ter amanhã?
- Cubos de gelo às cores!

Pequenos-grandes Heróis da Fruta

Mas também nos dedicamos a outro assunto: está a terminar a fase de intervenção do Projeto Heróis da Fruta e todos temos sido fiéis à fruta na hora do lanche. 
Ontem foi dia de pesar e medir, para observar o que crescemos desde Outubro. 
Eis algumas imagens das pesagens:
Quanto à medição não tiramos fotos, foi feita quando a professora estava sozinha connosco...

Por proposta da Beatriz estamos a construir os nossos capacetes de heróis da fruta...

Também respondemos ao Inquérito Final, outra das atividades obrigatórias deste projeto.
Já só falta ensaiar e gravar o nosso Hino da Fruta 2014 e preparar o videoclip...


terça-feira, 21 de janeiro de 2014

Descobrindo a água

Concordamos com John Dewey, que acreditava que "a Educação não é preparação para a vida, é a própria vida" por isso "a experiência é o modo através do qual se adquire o conhecimento" e tratamos de descobrir a água através da experiência direta.
Começamos pela realizada ontem, acerca dos 3 estados físicos em que podemos encontrar a água. Fomos buscar cada uma das 3 taças de água e observamos os resultados:

  • A água que foi para o radiador desapareceu (a taça estava vazia)
  • A água que foi para o congelador transformou-se em gelo (duro, branco e frio)
  • A água que ficou na sala estava igual (não mudou nada)
  • A água a que adicionamos sal, o sal desapareceu
Chegamos à conclusão, relativamente às mudanças observadas, que:
  • Tal como a água aquecida pelo sol sobe ao céu para formar as nuvens, também a água que estava no calor subiu e desapareceu... mas amanhã vamos experimentar isso para ver o que acontece e assim perceber melhor.
  • Quanto ao gelo, apareceu porque a água ficou muito fria, muito fria e depois ficou gelada e transformou-se em gelo, passando do estado líquido, ao estado sólido.
  • O sal que pusemos na água desapareceu, mas deixou o seu sabor: provamos a água e estava salgada! A cor e o cheio da água não mudaram.
Já a descoberta do gelo deu lugar a grande entusiasmo! 
Todos queriam tocar, mexer, sentir o frio e o molhado, vê-lo derreter e perceber porquê...
video
E parece que perceberam bastante bem!

Também o processo de dissolução despertou a atenção de todos, mesmo os mais pequeninos, por isso aproveitamos para ampliar a experiência, integrando outras substâncias: o objetivo era "prever, experimentar e observar o que acontece quando se misturam diferentes substâncias com água". 

Usamos açúcar, arroz, azeite, sal, areia, café e sumo em pó, água e 7 copos de vidro:
Para cada substância adicionada à água, registamos as nossas conceções prévias, ou seja, fizemos a previsão do que iria acontecer: dissolve-se ou não?
No final observamos e registamos os resultados:
Confrontamos as previsões com as observações e assinalamos com X ou com C.
Ainda tivemos oportunidade de provar a mistura de sal, açúcar e sumo em pó, confirmando que tinham alterado o sabor da água.
Foi um dia repleto de ciência..., que ainda vai continuar a ocupar os fixes esta semana.

segunda-feira, 20 de janeiro de 2014

Ciência em projeto

Nasceu assim, de repente, no meio de uma conversa no final da semana que passou...
Chovia, como tanto tem chovido, e ao redor da mesa grande, as palavras - como às vezes acontece - amontoavam-se e sobrepunham-se.

Então o André M. disse:
-  A chuva vem de um avião grande que está no Porto, passa lá em cima e deixa-a cair!
A Leonor ficou muito surpreendida... e logo respondeu:
- Então tu achas que o avião tem assim um balde gigante é? Já viste algum balde assim gigante? E quando a água cai dos aviões (nos incêndios) não cai às pinguinhas, como a chuva, cai assim "toda junta"! Só se o balde tivesse buraquinhos...
O Miguel B. e vários outros também não concordaram com o André M. e deram outra opinião:
- O avião não pode estar em toda a parte ao mesmo tempo e, às vezes, chove em toda a parte!
- Eu acho que a chuva vem das nuvens que estão no céu! Quando chove há sempre nuvens no céu...
- E às vezes há trovoada, é o Jesus que manda!
Estavam tão atentos e interessados em torno da conversa, que lhes propus fazermos as perguntas certas (relativas às nossas dúvidas) e procurarmos as respostas.

Assim ficou o registo deste nosso primeiro projetoNele colocamos o que já sabemos sobre o assunto, o que queremos saber, como vamos descobrir e o que vamos fazer... para já, porque este é um registo aberto. Algumas ideias são espantosas ;-)


Hoje retomamos o assunto, com mais algumas informações vindas de casa...
A Leonor conversou com a mãe sobre o assunto e chegou à conclusão que:
- A chuva cai das nuvens porque elas juntam-se e espremem-se e as gotas caem.

Mas, como todas as segundas-feiras depois do Bom dia e das novidades, era hora da história!
E, mesmo de propósito, a professora trouxe mais uma PRÉ História da Matilde:

Vimos e revimos, contamos e recontamos... e chegamos à conclusão que a história nos ensinava muitas coisas! 
As respostas às perguntas que nos intrigavam estavam escondidas na história de ontem... foi preciso estar atento e extrair da história a informação que era relevante... e nós soubemos fazê-lo! Era o que os mais crescidos iriam passar para o papel ao fazer os registos gráficos:






Também observamos imagens da água na Natureza, nas suas diversas formas, reparamos nas diferenças entre o mar, o rio, o lago e a cascata, a neve, a chuva e o granizo...

E percebemos que a água tem caraterísticas importantes:
  • Não tem cor, é incolor (mas pode refletir a cor das coisas à sua volta: mar azul/céu)
  • Não tem cheiro, é inodora;
  • Não tem sabor, é insípida.
Alguém se lembrou que a água pode ter sabor, se lhe misturarmos alguma coisa, sal por exemplo, e foi o que fizemos. Notamos que a cor e o cheiro não mudaram.

Também reparamos que a água pode existir de três maneiras (em três estados) diferentes:
  • Líquido (a água que bebemos)
  • Sólido (a neve, o granizo, o gelo)
  • Gasoso (o vapor de água)
Então pensamos como poderíamos alterar o estado da água líquida que tínhamos na sala e realizamos mais uma experiência:  Colocamos água em 3 taças iguais:
  • Uma delas ficou em cima da mesa, à temperatura normal; 
  • Outra foi para cima do radiador, por sugestão do Miguel P., para se expôr ao calor; 
  • A última taça foi para a arca frigorífica da cantina, para ficar exposta ao frio.
Registamos assim as nossas 4 experiências e amanhã vamos observar os resultados:

Não sem antes termos conversado para conhecer as ideias prévias: O que irá acontecer?
  • A água que foi para a arca vai ficar dura, em gelo...
  • A água que foi para o radiador vai ficar quente...
  • A água em cima da mesa vai ficar igual...
Tal como diz a brochura "Despertar para a Ciência: atividades dos 3 aos 6" DGIDC, 2009:

"As crianças constroem explicações a partir de variadas experiências familiares e escolares. Os adultos dos seus contextos próximos deverão proporcionar-lhes situações diversificadas de aprendizagem, para exploração de questões e fenómenos que lhes são familiares, aumentando a sua compreensão do real"

sábado, 18 de janeiro de 2014

Janeiras... porque é tempo delas!

Aproveitando um intervalinho sem chuva nesta sexta de manhã, lá fomos nós cumprir a tradição, juntamente com todos os companheiros de escola, dirigindo-nos à Creche e ao Lar de Idosos para desejar um Feliz Ano Novo a cantar!
Fomos, como sempre, muito bem recebidos, mas viemos embora depressa pois estava um vento muito frio. 
E não podíamos constipar-nos, porque ainda faltava o Cantar de Janeiras à comunidade local, no adro da igreja, neste sábado ao final da tarde.
A chuva e o frio voltaram a acompanhar-nos, mas mesmo assim a sala esteve bem composta!
Janeiras 2014 on PhotoPeach 
Acabados de chegar, aguardamos vídeos e/ou fotos que alguns dos alguns pais presentes nos possam enviar (para bloguefolio@gmail.com), pois estavam em melhor posição para registar o momento... mas para já aqui fica o slideshow possível, com um obrigada à esposa do prof. Hélder, que tirou as fotos. O som de fundo é apenas a banda sonora, não a nossa canção de janeiras...

Aqui fica então a partilha dos pais do Miguel B., um bocadinho do nosso Cantar de Janeiras:
video

Amanhã publicaremos a segunda parte, o grandioso final com os tocadores de bombos... ;-)

sexta-feira, 17 de janeiro de 2014

Arte em vitrais... e mais

Falamos nos vitrais há tempos atrás, quando conhecemos a apresentação "Os Reis Magos na Arte" tendo chamado a atenção dos fixes para observarem alguns exemplos na igreja da freguesia.

Mas desta vez colocamos mãos à obra e criamos vitrais (à nossa maneira) na sala!
Usamos papel autocolante transparente e papel celofane de várias cores e ainda cartolina para fazer o caixilho... 

Compusemos os nossos vitrais combinando as cores, observando como a mistura de algumas dava origem a cores novas, reparando na transparência e na aderência da película autocolante, notando como as letras do nome (se escrito nesse papel transparente) se invertiam ao virar do outro lado... e tentando ler o nome que aparecia: ANITA = ATINA ;-)


Vitrais on PhotoPeach 

Tantas aprendizagens integradas numa atividade agradável e bonita, que deu origem a verdadeiras obras de arte!


Ao decorar a moldura, por exemplo, experimentamos pela primeira vez um novo instrumento, uns marcadores que criam relevos no papel conforme os modelos utilizados.

De manuseamento um pouco complexo no início (pois requer que se coloque a peça de molde no local certo, encaixando-a devidamente, caso contrário não funciona) depressa nos apropriamos sozinhos do seu modo de funcionamento.
É a curiosidade como motor de desenvolvimento, mesmo nos mais pequenitos!
video
O dia a dia dá-nos coisas fantásticas, não dá?
Basta estarmos atentos... e vermos!

A "bandinha dos fixes" e muitos, muitos sons!

Esta semana andamos às voltas com os sons:
  • Primeiro os sons dos materiais, tendo construído muitas maracas com todo o tipo de coisas que chocalham e fazem barulho lá dentro. Algumas até vieram de casa, com a colaboração dos pais. 
Procurávamos sons diferentes, quer na intensidade (uns mais fortes, outros mais fraquinhos) quer no tipo de som (uns mais grossos, outros mais fininhos).
Com elas fizemos jogos de discriminação auditiva, procurando identificar o som ser ver a maraca e também tentamos produzir sons altos e baixos, curtos e compridos, fortes e fracos. Foi uma animação!
  • Depois os sons dos instrumentos musicais que chegaram ao jardim há pouco tempo. Observamos como eram, de que eram feitos e o tipo de som que produziam. Aprendemos os seus nomes e como se tocam.
Então experimentamos: começamos pelo instrumento que cada um preferiu e fomos trocando e testando... e acertando o ritmo uns pelos outros.

Entretanto aprendemos uma nova canção da Alda (mais uma gira, está aqui) e construímos a nossa bandinha, "A bandinha dos fixes", para cantar uma versão ligeiramente diferente! Aqui está o registo dos nossos ensaios...

  • Ainda descobrimos os sons do corpo, cantando outra canção muito engraçada que nos ajuda a explorar a música que podemos fazer com ele. 

Foi uma semana muito cheia de sons esta... hoje terminamos jogando no tablet da professora dois jogos de sons: no primeiro tínhamos que reconhecer sons de instrumentos musicais e no segundo as vozes dos animais!
Aproveitamos depois para explorar outras aplicações e numa delas, Flow, a Anita e a Beatriz estão a ficar especialistas... e só jogaram um bocadinho!


As coroas (dos) fixes ;-)

De volta às postagens sobre a sala e o que por cá temos feito...

Temos estado a preparar o tradicional Cantar de Janeiras à comunidade local, que decorrerá amanhã, sábado, dia 18 de janeiro, pelas 17h30m no adro da igreja, se o tempo o permitir. Juntamente com os companheiros do primeiro ciclo ensaiamos uma canção e estamos preparados para cantar e tocar para todos vocês... não faltem!

Até confecionamos coroas de Reis, para irmos bem janotas!
Mas como somos todos diferentes, a cada um foi dada a possibilidade de escolher a sua coroa preferida, entre várias diferentes que encontramos disponíveis na internet e não só...
As escolhas recaíram sobre 3 modelos, que cada um decorou à sua maneira.

Vejam aqui algumas imagens desses processos de elaboração, em que tivemos de fazer escolhas, selecionar materiais, partilhar, esperar a vez, recortar, colar, desenhar, decorar e tudo o mais que poderão ver no slideshow, com ajuda da Lídia e da nossa professora:


As coroas (dos) fixes on PhotoPeach 
 

Depois de terminadas ficaram assim as nossas coroas fixes:
 (temos 3 fixes doentes, por isso não estão nas fotos)

Claro que ao vivo e a cores são muito mais bonitas, por isso sábado não faltem (e não se esqueçam de nos ir lá levar!) esperamos por vós no adro da igreja às 17h30m. ;-)

quinta-feira, 16 de janeiro de 2014

PTT - Plano de Trabalho de Turma

Na sequência da reunião geral de pais e encarregados de educação realizada ontem, onde alguns justificaram a sua impossibilidade de marcar presença, aqui se publica a apresentação realizada:


Divulga-se ainda, tal como prometido, uma versão eticamente abreviada (sem referências a situações concretas do grupo) do documento de suporte à atividade pedagógica com este grupo de crianças, o Plano de Trabalho de Turma: 

Quem faltou à reunião deverá (se ainda não o fez) procurar a educadora para receber o Portefólio da criança, bem como um panfleto com a súmula do PTT, para consulta.

Para qualquer esclarecimento, a educadora estará disponível, como é habitual, no horário de atendimento semanal, entre as 12h e as 12h30m à segunda-feira.

Aproveito para deixar uma palavra de agradecimento à grande maioria de pais que marcou presença e que se manteve interessada e participativa no decorrer de toda a reunião.


quarta-feira, 15 de janeiro de 2014

Portefólios

Começamos a preparar os nossos Portefólios já durante o 1º período...
Mas antes de continuar, abrimos aqui um parêntesis para falar a nossa educadora, que quer explicar um pouco esta prática de avaliação alternativa:

O Portefólio é uma técnica alternativa utilizada em processos de avaliação contínua, de grande utilidade para a avaliação qualitativa. Consiste, essencialmente, numa coleção intencional das evidências do desenvolvimento da criança no decorrer do ano letivo, isto é, todos os pequenos e grandes passos percorridos ao longo de uma trajectória da aprendizagem. Na opinião de alguns autores:
  • Um Portefólio é uma colecção significativa de trabalhos das crianças, que exemplificam interesses, atitudes, competências e desenvolvimento, ao longo de um período de tempo.” (Gelfer e Perkins, 1966)
  •  “É uma colecção de trabalhos das crianças, que demonstram os progressos, os esforços e as aquisições realizadas ao longo do tempo. A acumulação de trabalhos no portefólio, envolve as crianças e os educadores a compilarem os materiais, a discuti-los e a tomar decisões. “ (Meisels e Steele, 1991)
  • “É um meio de avaliação que fornece uma visão completa e compreensiva da realização da criança no contexto.” (Paulson et, al, 1991)
  • “Acima de tudo, um portefólio é Portefólio quando encoraja as crianças a desenvolverem as suas capacidades, a tornarem-se independentes e a auto – dirigir a sua aprendizagem.” (Paulson e Paulson, 1991)
  • “Uma forma única, pessoal e intransmissível de documentar fielmente o processo educativo de cada criança, através de uma compilação organizada de informação relevante sobre o que esta faz e como o faz, bem como o que daí resulta em termos do seu desenvolvimento. Abre as janelas do Jardim de Infância a todos os interessados na educação da criança, de uma forma colaborativa e participada.” (Sousa, M.J., 2008)
Fechando o parêntesis, o meninos mais crescidos estiveram então a preparar os seus Portefólios para receberem mais um ano letivo recheado de evidências do seu crescimento, enquanto os mais pequenos estiveram apenas a iniciar este caminho e a aprender como se faz. Porque, como em tudo na vida...
Começamos por preparar a capa, desenhando o nosso auto-retrato com ajuda de um espelho:

Ficaram assim fixes:
(são retratos feitos por meninos e meninas de 2, 3, 4 e 5 anos)

Depois, ao longo do período, fomos selecionando as produções que queríamos incluir no nosso Portefólio e explicando a razão (quem o conseguia fazer, é claro). 
Algumas delas foram escolhidas pela nossa professora, que as considerou importantes, porque mostram que estamos a crescer... e nós concordamos!

Usamos um sistema simples de triagem, que agiliza este processo: dois tabuleiros (trabalhos para arrumar e trabalhos para acabar, que serão guardados na capa) e uma caixa de ficheiros suspensos, com um para cada um de nós - é aí que vão sendo guardadas as produções que irão integrar o Portefólio.

Depois a professora arruma tudo nos separadores certos e, quando o Portefólio fica pronto, nós revisitamo-lo. Foi o que fizemos ontem e hoje.


Então vejam e ouçam o que temos a dizer...
(cliquem em cada foto para nos ouvirem a falar)

Os nossos Portefólios incluem ainda um separador destinado à Colaboração dos pais, que poderão encher com evidências do nosso desenvolvimento em contexto familiar e outro destinado à Avaliação, onde se encontram os registos de avaliação elaborados periodicamente pela nossa educadora e também os registos da nossa auto avaliação.

E assim estamos a crescer... e a documentar esse(s) processos(s) de crescimento!
O de cada um de nós, nos nossos Portefólios...
O do grupo, no Bloguefólio... 
(porque pensavam que o nosso blogue tinha este nome esquisito?)

Diário Bloguefólio

Porquê e para quê um Blogue-Portefólio?

Uploaded on authorSTREAM by jusousa | 

De onde nos chegam amigos